O problema da relação entre Anabatistas e Batistas: Glen H. Stassen vs James M. Renihan

A relação entre os primeiros Batistas Ingleses e os Anabatistas Continentais (ou Menonitas) foi descrita por Ernest A. Payne, historiador da igreja Britânico, como “um problema histórico intrincado e espinhoso”.

Robert G. Torbet, A History of the Baptists, p. 23.

O problema da influência anabatista sobre o movimento batista tem sido discutido há – pelo menos – 400 anos. Mais recentemente, com a dilatação visível do movimento batista calvinista no Brasil, a polêmica frequentemente vai parar nos debates, quase sempre nada acadêmicos, das redes sociais. As discussões em torno do tema, quando conduzidas mais por apologistas do que por estudiosos, assume contornos apaixonados de afirmações do que se deseja acreditar e do que se espera ser verdadeiro, e não realmente de como as coisas são. Este é um primeiro artigo sobre um tema multifacetado e complexo, mas espero iniciar aqui um exame e um diálogo mais cuidadosos e mais rigorosos acerca da questão.

Em 1962, Glen H. Stassen prestou sua contribuição ao debate sobre a relação entre anabatistas e batistas por meio de um artigo intitulado Anabaptist Influence in the Origin of the Particular Baptists. O texto se divide em cinco partes e oferece inúmeras contribuições relevantes, mas aqui nos cabe tratar apenas da metade final do artigo, na qual Stassen procura compreender a fonte teológica da doutrina sobre o batismo que os Batistas Particulares desposaram a partir da década de 1640 e que se expressou de maneira mais clara na Primeira Confissão de Fé Londrina, de 1644/46.

Stassen afirma haver dois elementos principais na doutrina dos Batistas Particulares com relação ao batismo: a simbologia da morte, sepultamento e ressurreição de Cristo e os elementos da profissão de fé e discipulado.

Continuar lendo

John Smyth: Batismo, Eclesiologia e Separatismo

Como é sabido, John Smyth foi um dos primeiros ingleses a abandonar os quadros da igreja oficial e defender a instituição de uma igreja credobatista. De suas ações é que deriva a formação da primeira igreja propriamente batista, ainda em solo holandês e mais tarde repatriada sob os auspícios de Thomas Helwys. A figura controversa de John Smyth, que ainda hoje paga o preço por seu suposto si-batismo, é frequentemente associada aos anabatistas holandeses, especialmente em sua versão menonita (o que é uma ironia, já que foi justamente após o reconhecimento do erro de seu si-batismo que Smyth decidiu ingressar oficialmente na igreja menonita, sendo novamente batizado). É interessante notar, entretanto, que Smyth possuía uma leitura pessoal de seus atos no contexto histórico e religioso específico da Inglaterra seiscentista.

Em seu importante – e frequentemente ignorado – tratado The Character of the Beast or the False Constitution of the Church (1609), Smyth descreve como enxerga e defende seu afastamento do separatismo inglês. O tratado se endereça, iminentemente, às igrejas separatistas de Amsterdã (Francis Johnson e John Robinson), tendo como interlocutor direto Richard Clifton, membro da igreja de Robinson. Mas não é difícil perceber que seus ataques respingam, também, diretamente sobre os puritanos ingleses.

Continuar lendo

.:Indicação:. English Baptist Roots (James Renihan)

Quero indicar, com bastante ênfase, a seguinte aula do Dr. Renihan, especialmente para aqueles que estão se introduzindo nos estudos históricos batistas. Seu foco aqui é a formação dos batistas particulares, a qual, nesta aula, se confunde com o processo da restauração da imersão na Inglaterra.

Dr. Renihan diz, em certo ponto, que dedicou anos ao estudo dos batistas particulares, o que lhe rendeu sua tese de doutorado. Essa tese foi publicada sob o título de Edification and Beauty: The Practical Ecclesiolgy of the English Particular Baptists, 1675-1705. Como o subtítulo esclarece, seus estudos não versaram exatamente sobre as origens dos batistas particulares, embora seja esse o tema do primeiro capítulo do livro. Seu foco, antes, são as práticas eclesiásticas (governo, sacramentos, disciplina etc) e a teologia por detrás dessas práticas no lapso de tempo proposto.

Seja como for, a aula é excelente como introdução ao tema.

 

English Baptist Roots, por James M. Renihan

*

RENIHAN, James M. Edification and Beauty: The Practical Ecclesiolgy of the English Particular Baptists, 1675-1705. Eugene: WIPF & STOCK, 2008. 

 

The Virtue Blog

Blogging about the good life. Host of podcast, Sacred and Profane Love.

Pactualista

Subscrevendo a Confissão de Fé Batista de 1689

Crawford Gribben

On Puritan and evangelical history and writing

Queens' Old Library Blog

Rare Books and Manuscripts at Queens' College - University of Cambridge, UK

Petty France

Reviving the voices of the Particular Baptists, and other interesting bits and pieces of 17th-century literature.

Reformed Baptist Academic Press

Uma imersão em Patrística Batista

Contrast

The light shines in the darkness, and the darkness has not overcome it

IRBS Theological Seminary

Training Ministers to Preach the Gospel (2 Timothy 2:2)

HangarTeológico

Uma imersão em Patrística Batista

The Confessing Baptist

Uma imersão em Patrística Batista

Reformed Libertarian

Reformed Theology | Libertarian Polity

Reformed Baptist Fellowship

Reformational, Calvinistic, Puritan, Covenantal, Baptist

Reformed Baptist Blog

Uma imersão em Patrística Batista